Desde antes de o ser humano sequer saber o que seria religião ele já tinha suas próprias crenças, podendo evitar galhos que se parecessem com cobras ou evitar alguns tipos de plantas que poderiam ser venenosas. Isso era necessário por uma questão de sobrevivência, pois evitar algo inofensivo é preferível a ter contato com algo perigoso.

Essas crenças eram passadas de geração em geração como conhecimento de sobrevivência, sendo adotadas como verdade absoluta. Mas, anos no futuro surge o método científico, que busca por essas crenças a prova.

Entretanto, a ciência não foi capaz de extinguir algumas dessas crendices e hoje, com a grande quantidade de informação simultânea que a internet nos apresenta, elas se mostram na forma de pseudociências. Mas o que são pseudociências? Qual é a diferença entre ciência e pseudociência? A ciência é mais vantajosa do que as técnicas de sobrevivência que nos protejeram da extinção por milênios?

Encontre as respostas para essas perguntas e mais no primeiro seminário de Pedro Bortolon Pereira da Cunha.